Iniciativas: Cena Brasileira

Divulgação - Deepbeep.com.brCom mais de 20 anos de carreira, o DJ e produtor Acácio Moura sempre foi um grande incentivador da cena eletrônica nacional, seja através de projetos que revelaram novos talentos da discotecagem, seja como mentor de selos como o B.E.C. (Brazilian Electronic Community) e mais recentemente, o Urban Dance Records.

Há alguns anos passou também pelo rádio; na Metropolitana FM, encabeçando o projeto Cena Brasileira pelo programa “Metro-Tech” abrindo espaço para a música de DJs, produtores e selos nacionais; e na Jovem Pan como convidado especial para falar sobre produção nacional no programa “Na Balada”.

Neste ano, em parceria com a Ban – Electronic Music Center, Acácio nos traz todas as terças-feiras, novidades exclusivamente “made in Brazil” além de produtores e donos de selos nacionais. O programa já contou com a participação de gente muito bacana que faz a cena acontecer por aqui: Mimi, Hardmix, Jason Bralli e André Ribeiro são alguns destes nomes.

Hoje, 14:30h, tem mais Cena Brasileira na tela da Ban com o convidado especial Mauricio UM, do selo Paunchy Cat. Confira!

Floral Fauna – Visions

Floral Fauna - VisionsO EP Fauve, recém lançado pelo selo de Baltimore, Better on Foot, é a grata surpresa do duo Floral Fauna, formado por Rob Fontana (Rhodes e baixo) e Ony (guitarra e vocal).

Visions é minha faixa predileta, com melodia e vocal envolventes, trazem um clima baleárico que é a cara de boa parte dos meus sets no Skye, por isso tocarei bastante, rs.

Já o remix de Kevin Yost é ótima pedida pra quem gosta de deep-house.

Maya Jane Coles – Something in the air (Bonobo Remix)

Maya Jane ColesA talentosíssima inglesinha Maya Jane Coles foi responsável por um grande número de excelentes produções de house nos últimos 4 anos, sempre com sua pegada deep-techy característica, o que a credenciou a remixar artistas do naipe de Todd Terry, Florence & The Machine, Ella Fitzgerald e Massive Attack.

Neste post trago a faixa Something in the Air, do EP Don´t Put Me in Your Box de 2011 e que ganhou um excelente remix pelas mãos de seu compatriota Simon Green, mais conhecido como Bonobo. Remix fresquinho que, por enquanto, só tem em vinil!

Depois de longo tempo…

HouseFellasNesse final de semana róla a estréia de um projeto em que estamos eu, Jac Junior, Mimi e Bruno Gouvea finalmente tirando da gaveta, sendo que uma breve descrição dessa história toda pode ser encontrada no site do projeto.
Gostou da idéia? Então compartilhe, curta nossa fanpage e, quem sabe logo mais você estará lá celebrando conosco. 😉

HouseFellas na WEB: housefellas.com.br/
No Facebook: facebook.com/Housefellas
No USTREAM: ustream.tv/channel/housefellas

Re-edits: Redescobrindo tesouros

Gravador de roloNasci em 1978, logo, não vivenciei o auge da era “disco” mas nem por isso sou menos apaixonado por ela, bem como amo soul e funk, que vieram bem antes. Por essa razão, sempre vasculho coisas dessa época, que é uma fonte inesgotável de gratas surpresas.

Atualmente, além dessa procura incessante pelos originais, aprecio muito o trabalho de DJs e produtores que trazem as boas músicas dessa época de volta através de versões mais “DJ friendly”, ou seja, com beats mais marcados, breaks cortados ou estendidos e viradas reconstruídas. Apenas edição, sem adição de elementos que levem embora a história da faixa original, são os chamados Re-edits. Esse artigo é para citar alguns bons exemplos disso.

Meu DJ preferido do trio Body & Soul, Danny Krivit, adicionou mais 3 minutos ao original de Marvin Gaye – What´s going on com maestria

E aqui, 8:30min de Earth, Wind & Fire – Runnin’

Alkalino: esse é um cara que vale a pena seguir no Soundcloud, sempre trazendo bons re-edits. Muitos deles estão disponíveis pra download, outros, por € 2 muito bem pagos em sua página no Bandcamp. Aqui ele resgata Gil Scott Heron & Brian Jackson – Willing, de 1980.

No Brasil, também temos ótimos exemplos, como os re-edits do DJ Ney Faustini para Elis Regina – Aprendendo a Jogar e Tim Maia – Você e Eu, Eu e Você, todos disponíveis para download em sua página no Soundcloud

E você, conhece outros bons re-edits? Compartilhe!

Chris Brann e o tal deep-house “de verdade”

Cris BrannEm tempos onde se discute a veracidade do termo atribuído às produções a la Maceo Plex e de toda uma galera que veio na onda do selo Hot Creations, Chris Brann (aka Ananda Project) chama representantes do deep à moda antiga para remixar seu novo EP, Truth Comes Shining Through.

Demarkus Lewis – que tem diversas faixas lançadas por selos expoentes de deep-house como Alluv, Bluem, LowDown, Flat & Round, Nordic Trax, Lazy Days e Conya – traz um piano hipnótico em seu remix para a faixa Awareness.

Kerri Chandler, mestre do gênero há mais de 20 anos, traz a versão dub de seu remix feito há 2 anos para Awareness. Confira abaixo o remix da época, o que está nesse EP é sem os vocais (não achei o link).

Já os produtores Aki Bergen e Daniel Jaze dão um toque de classe à faixa título.

Para se ter uma idéia de até onde vai a discussão acima, a propria Traxsource classifica a faixa como Soulful House, com o que não concordo! De qualquer forma, o seminal Nite Grooves, subselo da King Street Sounds acerta a mão novamente com este EP.

Clássicos modernos: Joey Negro meets Skur-I-Kan

Quem me conhece sabe que aprecio boas melodias e vocais marcantes, elementos estes que são, na minha opinião, fundamentais numa boa faixa, embora existam verdadeiros clássicos totalmente instrumentais.

Esta é uma daquelas músicas que me fazem sentir bem quando ouço pois ao mesmo tempo que me remetem às produções “garage” dos anos 90, cujos vocais marcaram minha formação como DJ, é perceptível também uma atmosfera moderna conseguida graças aos timbres do talentoso tecladista, DJ e produtor inglês Tom Szirtes aka Shur-I-Kan, e o resultado dessa “mistura” (pegou? pegou?) você confere abaixo.

Mão no botão, pose pra foto.

A mais nova revolta da classe DJ é com a aparição do lutador Anderson Silva na cabine de som do club Royal, segundo notícia do Sportv.

Na rabeira dos ataques de DJ dos atores globais, ex-BBBs, ex-Fazendeiros, funkeiros, celebridades da internet, jogadores de futebol, atletas de MMA, políticos e qualquer outra pessoa que já figurou no Tumblr título deste post ou no divertidíssimo PORRA, DJ! sempre vem a indignação coletiva e os berros de que estes pseudo-DJs estão tirando seu emprego. Será mesmo?

Sempre tive a opinião de que a culpa maior é de quem paga pra ver e/ou ter esse tipo de “atração” (leia-se público e donos de casas). Penso (e posso estar errado nesse caso especificamente) que o Spider, assim como tantos outros, estava lá na dele até vir o dono da citada casa chamá-lo pra “ir lá brincar de DJ um pouco” com seus amigos, drinks e algumas piriguetes.

Vamos combinar aqui que o cachê pago à maioria dos DJs é dinheiro de pinga (ou melhor, de vodka) pra Spider e cia. Sendo assim, vamos transformar isso num camarote recheado de goró de graça para o “DJ” da noite. Com isso, este trará seus amigos e a casa irá bombar.

É exatamente assim que pensam 80% dos donos dos clubes em qualquer lugar do MUNDO. Então, meu caro leitor, não é por isso que VOCÊ não está tocando no lugar dele, é pelo simples fato de que o cara é celebridade e a turma que está ali prestigiando o “set” está cagando pra música que sai dos CDJs.

Se o cara recusa o convite, é mala, se aceita, é achincalhado pelos DJs de verdade (não gosto desse termo, mas isso não vem ao caso).

Na boa, acho que a energia dispensada com a revolta da classe anda mal direcionada. Minha sugestão para aliviarmos esse stress todo? Que tal se, ao invés de enchermos as redes sociais com fotos do Jesus Luz tocando com CDJs desligados, passássemos a divulgar aqueles artistas que respeitamos? É isso que vou procurar fazer aqui neste espaço. E você?

UPDATE: O amigo Marcelo Arditti alerta para o fato de a festa ter sido oferecida aos colaboradores da agência 9ine (de Ronaldo Fenômeno e Marcus Buaiz, dono do club Royal) em homenagem ao lutador, o que torna a revolta mais injustificada ainda.

Pista Puzzle Heads: 24h de boa música na Virada Cultural

A música eletrônica underground está muito bem representada nesta edição da Virada Cultural Paulistana, que agita as ruas do centro da capital neste final de semana. Serão 24h de som comandados pelos DJs e produtores do selo Puzzle Heads que se revezam em sets de 1:30h cada à partir das 18h do sábado no palco da esquina das ruas Timbiras e Guaianazes. Confiram o line-up pra lá de especial:

18:00 – ANGELO F
19:30 – RAFAEL MOURA
21:00 – GUSTAVO BALLESTÉ
22:30 – ANDRÉ RIBEIRO
00:00 – MANCHINHA
01:30 – JAC JUNIOR
03:00 – MIMI
04:30 – MAZZUR
06:00 – MAX UNDERSON
07:30 – L_CIO
09:00 – BLASQUEZ
10:30 – AUTOBOOZE
12:00 – RICHARD SAVANI
13:30 – MAICON VILLLA AKA KIDCULT
15:00 – MONSTERS AT WORK
16:30 – MR GIL